Actualidade

1.- Ante-ontem pensava eu: “quando regressará Gibraltar à actualidade mediática espanhola?”. Ontem vejo no tele-texto uma notícia marginal onde se menciona Gibraltar, mas não tratava do cansante monotema da soberania do rochedo.

2.- Portugal poucas vezes aparece nos noticiários espanhóis. Desde o verão passado (Euro 2004 e incêndios) praticamente não se falara do outro Estado ibérico para nada. Este ano verão volve-se falar, e bastante. Mas por uma tragédia. Será que não acontecem cousas boas em Portugal? Não, será que Portugal não interessa. Apenas o dinheiro português.

3.- E no entanto, a Galiza continua a arder.

  • Ulmo de Arxila

    Non me negarás que a periódica reivindicación eshpañola de Gibraltar non é un dos acontecimentos máis grotescos, divertidos e reconfortantes de cada ano. Os británicos sempre lles andan pondo a cenória pertiño da boca, e cando os amiguiños de Isabel la Católica pensan que están a piques de dar-lle a taniscada definitiva, zas!!, desaparece a cenória e arma-se o pitorreo tradicional en Trafalgar Square e arredores. Dito sexa de paso, eu partillo dese pitorreo.
    De acordo que Gibraltar é unha falperra e un lavadeiro de cartos e todo o que vostés queiran (tamén o é Mónaco, mais o glamour tapa todo), mais os llanitos non teñen nengun interese en agregar-se a un Estado no que o seu nível de vida cairia en picado, máis ainda se os integrasen na comunidade da Andaluzia.Deixá-los estar, recoiro!
    É curioso que non armen tanto escándalo por outro território “roubado” como o Roselló (escreve-se asi, Uz). Non é unha colónia, mais o xenocídio cultural que levaron ali a cabo os francófonos en nada desmerece cos trapicheos vários que se levan a cabo no Peñón.
    Autodeterminación xa, carallo!

  • Uz

    Rosselló (ou Rosselhão/Rossilhão para nós) é uma denominação um bocadinho imprecisa. Os catalães usam muito a forma ‘Catalunya Nord’, de criação bastante recente, para referir-se a essa antiga região do ‘Principat’ (Principat de Catalunya, of course).

    A Catalunha Norte fora anexada no Tratado dos Pirinéus (conflito do que não vou falar agora, embora seja tema que me atrai muito e do que tinho lido não pouco), compondo-se das comarcas do Rosselló (mais uma comarca, mas que aquém-Pirinéus adoitamos confundir com toda a região), Conflent, Vallespir e a parte norte da Cerdanya. Apenas quedaram sob domínio catalão além-Pirinéus Llívia mais um outro concelho cujo nome agora não lembro.

    Por certo, os franceses, sempre por diante dos espanhóis nisso do colonialismo interior, utilizaram melhor do que Javier de Burgos isso de separar os iguais e unir os diferentes. Sabes onde se integra administrativamente a Catalunha Norte? No departamento Languedoc-Roussillon. Bom, tão diferentes não são, mas tampouco são iguais.

    Seja como for, reconforta atopar em internet páginas como a do concelho de Perpinhã/Perpinyà. Pesquisa no google por “mairie perpignan”, acho que a direcção é //www.mairie-perpignan.fr; mas ñ tou certo.

www.000webhost.com