Supermercados DIA: insulto ao setor leiteiro e agressão patronal

anúncio DIA LVG 110915A semana iniciada a 7 de setembro foi de grande mobilização no setor leiteiro galego, incluindo tratoradas, manifestação a pé e bloqueio de centros logísticos de empresas que ganadeiros e ganadeiras consideram cúmplices da dura situação que atravessam. Não vou entrar aqui em explicar as condições laborais que padecem os produtores e produtoras de leite, pois é algo do qual já falei várias vezes nos dez anos de vida deste blogue (cuja recuperação continua em progresso), mas da atitude de uma das empresas boicotadas: Supermercados DIA.

Do começo dos protestos desta semana, a empresa DIA foi um dos alvos da ira de gandeiros e gandeiras, acusada de utilizar o leite como «isca» nos seus supermercados. A estratégia consiste em situar um leite superbarato polo qual a empresa praticamente não tira lucro, atraindo assim o potencial comprador ou compradora cara a outros produtos próximos polos quais a margem de lucro é sensivelmente maior. A tática é conhecida e denunciada de velho, pois já no ano 2006 cobri jornalisticamente ações de boicote contra superfícies comerciais que vendiam o cartão de leite a menos de 0,5 € o litro.

E que pinta aqui DIA?

Pinta que se trata de uma das empresas que recorrentemente é denunciada polo setor leiteiro por utilizar essa estratégia de venda. Denunciam que com isso estão a desvalorizar o leite. «Como me hão pagar mais de 0,3 € por litro de leite se o vendedor final o despacha a 0,45 €?», assinalava-me já em 2006 um gandeiro, e a situação não variou muito desde aquela altura.

Pinta também que toda a semana porta-vozes de DIA se dedicaram a denigrar a luita gandeira, qualificando de «ocupação ilegal» o bloqueio do seu centro logístico em Compostela e ameaçando com um paro patronal, o qual se acaba de concretizar. Nesta situação, os 120 empregados e empregadas afectadas polo paro continuam de alta especial na Segurança Social, mas os contratos de trabalho entendem-se suspendidos, polo que não cobrarão enquanto durar o paro.

As declarações dos dias prévios e a decisão finalmente adoptada por DIA unicamente procuram enfrentar os trabalhadores e trabalhadores afetadas com o setor leiteiro e, se se pode, enfrentá-los também ao resto da população, especialmente comerciantes e outras pessoas que se puderam ter visto prejudicadas polas restrições no trânsito em Compostela.

Com a medida, DIA dá a entender que o bloqueio do centro logístico lhe causa grandes perdas, polo que carga o impacte nas costas dos trabalhadores e trabalhadoras do centro logístico. Ora bem, as enormes perdas não impediram DIA publicar um anúncio a toda página (ímpar) e a toda cor em que denigra os gandeiros e gandeiras da Galiza. O dito anúncio diz, na sua tradução ao galego, o seguinte:

Do Grupo DIA lamentamos profundamente as dificuldades de abastecimento nas nossas lojas da Galiza e o prejuízo que está a ocasionar em provedores locais, franquiciados e consumidores o blogueio ilegal a que estamos submetidos por parte dos gandeiros.

Estamos a trabalhar para solucionar esta situação, alheia à nossa companhia.

Duas considerações:

1) «Solucionar esta a situação» implica deixar sem salário por tempo indeterminado 120 trabalhadores e trabalhadoras?

2) Realmente DIA é «alheia» à situação ou, como se indicou, é bastante responsável?

Bloqueio o centro logístico de DIA em 'Mercagalicia'
Bloqueio o centro logístico de DIA em ‘Mercagalicia’

Ora bem, DIA é capaz de deixar sem emprego e sem ingressos 120 trabalhadores e trabalhadoras, mas sim tem dinheiro para pagar um vergonhento e caríssimo anúncio na imprensa. Desconheço em quantos jornais apareceu, pois a esta hora apenas o vi num, concretamente La Voz de Galicia. Segundo as tarifas publicitárias vigentes (ver), um anúncio publicado entre segunda e sábado (como é o caso), a toda página (como é o caso), a toda cor (como é o caso) e em página ímpar (como é o caso) custa 12.980 €. Se em lugar de um anúncio, DIA decidisse retribuir esses 120 empregados e empregadas, sairia a algo mais de 108 € por cabeça. Mas é melhor castigar sem salário os empregados e empregadas do que fazer as cousas doutra maneira, como reconhecer a injustiça na sua estratégia de venda, intentar negociar uma gestão alternativa, dialogar, etc.

Um anúncio treze mil euros, e isso pressupondo agora mesmo que apenas se tenha contratado um anúncio. Treze mil euros. Quantos meses deveria trabalhar um dos gandeiros ou gandeiras vilipendiadas por este anúncio para responder em igualdade de condições? Para DIA é quincalha. Para um produtor ou produtora de leite é o fruto de meses de penúrias, de jornadas de mais de 12 h os sete dias da semana.

 

ATUALIZAÇÃO

Há uma hora vi o anúncio infame publicado também no El Correo Gallego. Intuo que, com caráter geral, aparecerá na restante prensa regional gallega. Desconheço o custo desta inserção publicitária (não encontro on-line as tarifas do Diario de la Capital de Galicia), mas com toda certeza são mais de 2.000 €, que é bastante mais da mensualidade média de qualquer uma das 120 pessoas que trabalham para DIA no centro logístico do Tambre.

anúncio ECG 110915

www.000webhost.com