O galego deve manter-se na segunda divisão?

pinhoncitoGraças ao jornal oficial do Reino da Galiza sabemos que a Congapa, em clara concordância com o PPdeG, prefere que o galego continue na segunda divisão linguística. Para exemplarizar as minhas afirmações, e evidenciar que não as tiro de contexto, cito textualmente informação do periódico (o negrito é meu):

Da mesma opinión mostrouse onte o portavoz da Congapa, Constantino Iglesias, para quen “é bo que o galego estea presente no ensino pero non queremos que o castelán quede como segunda lingua“. Iglesias considera positiva “a obriga de saber falar galego”, pero sen que “sobrepase o castelán, respectando o dereito dos pais”, puntualiza. O portavoz da Congapa propón que se realicen “campañas para facer entender á sociedade a necesidade de tirar polo noso, non partindo das leis” xa que, na súa opinión, “as imposicións non chegan nunca a bo fin”.

A ignorância é muito atrevida e o cinismo é bem daninho. Como Jack ‘O Destripador’, imos por partes:

  • Como se pode aumentar o uso do galego sem recorrer a leis? Deixando-o na boa vontade dos professores (como nos últimos 30 anos)? Deixando-o talvez ao bom critério de associações como a Congapa?
  • Como se pode falar ao mesmo tempo de estar de acordo com a promoção do galego e ao mesmo tempo impor o limite de “sem que ultrapasse o castelhano”? É que no hipotético caso de o uso do galego aumentar, cumpriria freá-lo?
  • Acaso sou eu o único que vê nestas afirmações uma defesa explícita de que o galego deve ficar numa segunda divisão das línguas, sem possibilidade de aceder à primeira?

Nem sei, mas eu não vejo muita diferença entre as afirmações da Congapa e o que se fazia nos últimos tempos do Ditador, em que não se proibia explicitamente o ensino em galego, mas era altamente não recomendável.

  • marykinha

    Que vivan as GALESCOLAS, aínda que a agún dos meus profesores non lles fai moita gracia a política lingüística que se leva neles.
    A solución, persoalmente e polo que teño visto, deberase imitar o modelos das Ikastolas vascas, onde todalas clases se dan en euskera e ata os 10 ou 12 anos, non se estudia o castelán; o castelán xa o aprenden na súa vida cotiá, na televisión, nos filmes e na comunicación cos seus pares homónimos.
    Dende que os nenos son cativos, tense que fomentar o bilingüismo galego-castelán para que cheguen a comprender e obviamente USAR, añgunha outra lingua estranxeira.
    Aisss malditas leis!!! Todo o que fan é complicar a labor docente dos mestres!

  • Fer

    Quem pense que os nenos precisam de mais de cinco horas à semana de castelhano para fixar um pouco gramática e ortografia…

  • Galeguzo

    Maria:Galescolas sim, mas não assim, quer dizer, não as do Quintana/Quintã (//agal-gz.org/modules.php?name=News&file=article&sid=3394).

    Fer: parecerá-che bonito! Primeiro adiantas-te-me num post (//odemo.blogaliza.org/2007/01/15/frijolito-e-o-seculo-xix/#comment-3598) e agora vais e plagias-me uma reflexão de Chuza… e restando-lhe uma hora (//chuza.org/historia/feijoo-em-el-pais-o-galego-nas-aulas-umha-cousa-propria-do-seculo-xix-um-atraso/#comentario-6)!

    E é que começamos sendo lusistas, mas isso já é de malaspersonas 😀

  • marykinha

    Por iso che digo de imitar o modelo das Ikastolas, de feito, a día de hoxe son un referente mundial na ensinanza de duas linguas modernas…

  • David

    Ala, estes galeguistas pásanse moito… Se até queren que na GALIZA o GALEGO sobrepase ao castelán! Con Franco isto non pasaba! 😛
    Que vivan as Galescolas, mais as de Vogal, por suposto! 😀
    PS: Aínda que non veña a conto, aquí tes os meus resultados do test dos superheroes. Non ficou mal, hehehe…
    Superman 85%
    Supergirl 75%
    Wonder Woman 65%
    The Flash 60%
    Spider-Man 55%
    Catwoman 55%
    Batman 55%
    Robin 45%
    Green Lantern 35%
    Hulk 15%
    Iron Man 0%

www.000webhost.com