A superfrase: política, linguagem e desinformação

Com o termo ‘desinformação’ referimo-nos a uma série de estratégias que pretendem confundir o receptor de uma mensagem para ele ficar como estava ao começo: sem saber ‘de quê vai’ tal ou qual questão. No âmbito político é muito habitual (por desgraça, demasiado habitual), e é por essa razão que nunca sabemos exactamente o que é que nos quiseram transmitir Touriño ou Zapatero, ou se simplesmente andavam a brincar com nós.

Dá a casualidade de que li hoje num jornal espanholista uma frase dessas que impactam. E fazem-no não precisamente polo seu conteúdo (que sempre deve ser o mais interessante). Impactou-me pola sua forma. A seguir reproduzo-a e começareis a perceber.

Convencidos como estamos de que la política puede y debe contribuir al fin de la violencia, reafirmamos que, si se producen las condiciones adecuadas para un final dialogado de la violencia, fundamentadas en una clara voluntad para poner fin a la misma y en actitudes inequívocas que puedan conducir a esa convicción, apoyamos procesos de diálogo entre los poderes competentes del Estado y quienes decidan abandonar la violencia, respetando en todo momento el principio democrático irrenunciable de que las cuestiones políticas deben resolverse únicamente a través de los representantes legítimos de la voluntad popular.

A frase procede de uma moção contra o terrorismo aprovada o ano passado. Eis alguns dados sobre esta frase: 94 palavras, 527 caracteres (sem espaços, 620 com eles), 7 linhas e meia de extensão (num documento de texto padrão com tamanho de fonte 12), tempo de leitura de 32 segundos… como diria o Rei da Mezquita (leiam o vindoiro post), “isto é incrível”.

A sintaxe da frase não é precisamente do mais simples. Na própria introdução já se observa isto, vemos um “convencidos como estamos” no canto de “estamos convencidos“, que desde logo é mais directo. Depois vai uma acotação de 35 palavras, nada menos (“[…] si se producen las condiciones adecuadas para un final dialogado de la violencia, fundamentadas en una clara voluntad para poner fin a la misma y en actitudes inequívocas que puedan conducir a esa convicción […]”). Quando acabamos de ler a acotação já perdemos o fio da frase e devemos retomá-la desde o começo e saltar a acotação para enganchar com o que teoricamente deve seguir (“[…] apoyamos procesos de diálogo […]”). A última parte, no entanto, já é mais directa e compreensível que as linhas antecedentes.

Numa resolução de tanta importância (sobretudo polo muito que se debateu sobre ela antes, durante e depois… mais que nada depois!), a clareza da redacção deveria ser primordial. Mas não. Parece que é norma entre a classe política utilizar a sintaxe mais enrevessada quando ‘toca’ falar de matérias polémicas, de assuntos de alto nível. Parece como se os representantes políticos quisessem manter um diálogo entre eles próprios e afastar-se, deliberadamente, do resto da população criando um uso linguístico de seu. E logo estranharão-se da má sona da política e de que digamos que todas e todos são iguais!!

000webhost logo